free tracking

conspiradores

. Raquel

. Jorge Amorim

. Nuno Miguel Lopes

. Luís F. Alves

estamos aqui

e-mail

. Say NI

artigos recentes

. The Kingpin of Comics is back ...

. Uma cerveja entre um Deus e um Justiceiro

. Batman 16 (2013)

. Amazing Spider-Man 700 (SPOILERS)

. E o Deus do Trovão regressou!

. Fantastic Four E FF!

. Avengers passou para o nível seguinte.

. Visão rápida sobre Marvel Now

. Marvel NOW!: Join the ReEvolution I

. MasterClasses de BD (BD AO FORTE)

links de comics

. Comic Book Resources

. DC Comics

. Image comics

. Kingpin of Comics (Site)

. Kingpin of Comics (Blog)

. Leituras de Bd e não só

. Marvel Comics

. Newsarama.com

. Silver Bullet Comics

. World of Manga and comics

. Luca BD

outros links

. Corusca

. Multitudo Design

. O Armário das Calças

. Sonhos Urbanos

RSS
Powered by Blogger
quarta-feira, janeiro 23, 2013

“Roleta Nipónica” e “O Impaciente Inglês", os dois novos álbuns do SUPER PIG previstos para este ano, são o mote para conversarmos com Mário Freitas, um dos mais activos nomes da banda desenhada (BD) em Portugal. Se ainda não o conhecem, é fundador da livraria e editora de BD Kingpin Books, argumentista, arte-finalista, legendador e editor, e é também o criador e dinamizador do festival de BD e cosplay AniComics. Fora isso, é um excelente e inteligente comunicador, que disponibilizou o seu tempo para nos responder a algumas perguntas.



1. Já se passaram uns bons anos desde o lançamento do primeiro Super Pig. O que tens feito como autor de banda desenhada entretanto?

A aperfeiçoar as minhas competências, de modo a que consiga fazer bem o maior número possível de coisas dentro da BD. A experiência e algum arrojo ensinam-nos muita coisa. Às vezes temos de ser um bocadinho arrojados para começarmos a fazer coisas que inicialmente não dominamos, mas é assim que forçamos a libertação dos talentos naturais que sentimos que existem dentro de nós. Tenho editado muita BD e intervindo sempre nos livros em diferentes qualidades, desde legendador e colorista até designer, e isso tem-me conferido uma visão cada mais transversal do processo criativo. Paralelamente, escrevi várias histórias curtas e tenho vindo a desenvolver e a cimentar as ideias que começarão a ver este ano a luz do dia, com a publicação expectável dos dois álbuns de que falaremos a seguir.


2. Quais os desafios como argumentista que estão presentes no processo criativo destes novos álbuns do Super Pig?

O principal desafio, sempre, é contar uma boa história que agarre o leitor e que, preferencialmente, o faça voltar mais tarde ao livro para descobrir detalhes que não tenham sido evidentes numa primeira leitura. Depois, há sempre uma série de temas que me são gratos e que acabo, às vezes até inconscientemente, por incluir nas histórias que escrevo. Sabem que eu tenho uma certa aversão à banalidade, ao excesso de padronização, aos dogmas e aos anacronismos... As minhas histórias acabam por reflectir esse meu combate pela afirmação do indivíduo e das individualidades enquanto catalisadores da mudança e da inovação, sobretudo mental. Não é por acaso que o Super Pig se move no seio de uma fundação futurista, mas que está ela própria minada por administradores envelhecidos e acomodados, aparentemente resignados a um status quo que castra a criatividade e incentiva ao conformismo e à conformidade.

Em termos narrativos, acredito que estes novos álbuns reflectem o meu amadurecimento enquanto argumentista e qualquer um deles tem uma coisa que era, quanto a mim, a principal lacuna no “Live Hate” - coesão. O “Live Hate” foi, na prática, a compilação de duas histórias diferentes contadas ao longo de quatro fascículos. Num dos casos, senti que apressei demasiado a conclusão, no outro acabei por não oferecer uma conclusão efectiva, embora eu tenha uma visão particular sobre isso: na vida real, nem tudo de resolve, nem tudo se esclarece, e ficam sempre pontas soltas por resolver. De qualquer das formas, se o nosso protagonista e a opinião pública ficaram no escuro quanto à identidade do Senhor Medonho, o mesmo não se passou com os leitores, que foram cabalmente esclarecidos sobre esse mistério.



Já a “Roleta Nipónica” e “O Impaciente Inglês” são histórias fechadas e com conclusões definidas, embora sejam álbuns totalmente distintos em termos de conteúdo e até em termos de estilo. A primeira é uma aventura em 48 páginas, descomplexada e despretensiosa, em que tiro partido do dinamismo visual e da capacidade narrativa ímpar do Osvaldo Medina. Eu tinha escrito esta história em 2007 e a ideia original era isto ser uma espécie de “Pig Manga”, até por causa das artistas então envolvidas, a Gisela Martins e a Sara Ferreira. Felizmente, mesmo após estes anos, elas continuam ligadas ao projecto e estão a fazer as tramas a cinza sobre a arte do Osvaldo, o que está a conferir um look curiosamente oriental às páginas, até pelo estilo de marginação que decidi adoptar para este livro. Por isso, se têm curiosidade em ver o Calouste Pig, pai do Super, a enfrentar uma joint-venture da Máfia dos leitões com a Yakuza, este livro é para vocês. Ah e faltou dizer que tudo isso se passa no longínquo ano de 1978, dia da geminação de Aveiro com a cidade japonesa de Oita. É uma visita ao passado, mas cheia de dicas e pistas para o presente e futuro do nosso protagonista e que serão um desafio para os leitores mais atentos.

Por sua vez, “O Impaciente Inglês” é um tour de force de 88 páginas e formato um pouco maior, que me levou a pesquisar com afinco a vida e obra de tão ilustres figuras como a Rainha Isabel I de Inglaterra, John Milton, Oscar Wilde e Winston Churchill. É um cocktail explosivo que mistura rituais holísticos, neuromarketing, HeliPigs movidos a pás de laser e até uma partida de squash realizada no court privado da distinta Fundação Calouste Pig. O André Pereira (aka Robô Independente) anda a desenhar tudo isto com recurso à sua fértil imaginação, excepto quando o obrigo a desenhar carros ou vivendas em perspectiva, coisa que, aparentemente, o faz rogar-me pragas.



3. Já conhecemos o Osvaldo, mas o que nos podes dizer mais desse novo artista responsável pelos desenhos do “Impaciente Inglês”?

O André foi uma das minha descobertas no AniComics. Ele participou no concurso de BD e ficou oficiosamente em 2º lugar, e o estilo dele fez-me logo lembrar uma mescla de alguns dos meus artistas favoritos, nomeadamente o Frank Quitely e o JM Ken Nimura. Isto coincidiu com a indisponibilidade crescente do GEvan.. para se dedicar ao livro, pelo que acabei por convidar o André a desenhar o Pig, o que ele aceitou com muito agrado depois de ouvir as minhas ideias para a história.

Ficou a faltar um colorista, mas isso ficou resolvido mais uma vez com recurso a um artista revelado no último AniComics. O Bernardo Majer tinha ganho o concurso do AniComics e voltou a repetir a proeza mais recentemente no Amadora BD. Aquando do AniComics, tive oportunidade de falar com ele e dizer-lhe que precisava de solidificar o trabalho de cor, criando sobretudo mais contraste na imagem. Quando vi o trabalho mais recente dele, fiquei impressionado com a evolução exponencial que as cores dele tiveram e convidei-o imediatamente. O Bernardo é um excelente artista, muito estilizado e personalizado, e as cores dele complementam na perfeição o traço do André, que é muito elegante, muito fluido. Além disso, o André é um belíssimo narrador visual e consegue dinamizar qualquer simples cena de conversa entre personagens. Desde muito cedo, dei-lhe bastante liberdade nos layouts e ele tem-se saído de forma admirável.

(a segunda parte da entrevista será publicada amanhã)
saí­do da mente de Jorge Amorim às 2:10 da tarde
link do post | | voltar ao topo


Conteúdo © Copyright 2006 Jorge Amorim, R e (Phi)lipe. Todos os direitos reservados.
As imagens usadas são propriedade dos respectivos donos.
Icons por Kevin Potts.