free tracking

conspiradores

. Raquel

. Jorge Amorim

. Nuno Miguel Lopes

. Luís F. Alves

estamos aqui

e-mail

. Say NI

artigos recentes

. Neil Gaiman sobre comics que originam filmes

. Trailer de X-Men 3: The Last Stand

. Palavras

. Invincible

. Wanted

. Ultimate Thanos

. Y: The Last Man

. Friendly Neighborhood Spider-Man #5: Pós Leitura

. Ultimates v2 #10: Pós-Leitura

. O que diz a Wikipédia sobre comics?

links de comics

. Comic Book Resources

. DC Comics

. Image comics

. Kingpin of Comics (Site)

. Kingpin of Comics (Blog)

. Leituras de Bd e não só

. Marvel Comics

. Newsarama.com

. Silver Bullet Comics

. World of Manga and comics

. Luca BD

outros links

. Corusca

. Multitudo Design

. O Armário das Calças

. Sonhos Urbanos

RSS
Powered by Blogger
quarta-feira, março 08, 2006
Alguns comics apenas se preocupam em criar uma campanha de marketing para forçar a compra de uma série de números para acompanhar uma história sem grande sentido. Vou dar dois exemplos, um da Marvel e outra da DC, House of M e Infinite Crisis. Ambas com o slogan que vão mudar o rumo dos comics nas referidas editoras.



House of M é mais um daqueles momentos em que a realidade é alterada, desta vez é o Magneto que fica a governar o novo mundo, um mote pouco inovador que serviu de desculpa para infectar outros comics. Apareceu "Spider-Man: House of M", "Fantastic Four: House of M", "Iron Man: House of M", "Mutopia" e mais umas quantas que já me lembro, tudo isto além da série principal "House of M". A interligação entre as diversas séries era confusa e incoerente, principalmente a "Spider-Man: House of M" quando comparada com a série principal. No fim da saga, aconteceu algo drástico para afectar o mundo dos mutantes (e para termos mais títulos X-qq coisa, como se já fossem poucos).



A infinte Crisis também tem sido uma grande desilusão, quantos títulos temos de acompanhar?? Todos os que são publicados pela Dc? Pode parecer exagerado, mas sinto isso. Além disso estou farto de coisas como o "Super-Homem da Terra 2" enfrenta o "Super-Homem da Terra 4" e vai ver um jogo de futebol com o "Super-Homem da Terra 1/2" (esta situação é ficcional mas quem está a acompanhar a saga sabe a que me refiro). O crossover nesta história é muito mais coerente que na "House f M", mas um pouco absurdo pela dificuldade em acompanhar tudo (como já foi no prólogo interminável desta saga, o "Countdown"). Obviamente vai dar origem a novos títulos. Mas e a qualidade da história???


Acho que podiam aprender qualquer coisa com o trabalho do Grant Morrisson em "Seven Soldiers" (também da DC), há crossover entre os títulos mas estes só permitem aprofundar a história e não dependemos da leitura dos outros comics para ficarmos com a ideia do que se passa. Também podem gerar títulos mas de forma orgânica e não de forma forçada, como nas referidas anteriormente.

É por estes exemplos que desconfio muito da Civil War (Marvel)

Apenas uma opinião, gostava de saber o que acham.
saí­do da mente de Jorge Amorim às 2:25 da tarde
link do post | | voltar ao topo
4 Comentários:
Parece haver mesmo uma falta de originalidade e de interesse nas novas 'grandes sagas que mudarão tudo' no mundo dos comics.

Não sou daquelas pessoas que dizem sempre que 'antes é que era', mas por favor... a qualidade das novas sagas é ridícula.

Parece que de X em X tempo ou em determinada situação de vendas de títulos, reúnem uns quantos argumentistas (sejam bons ou maus) e venha de lá mais uma coisa que interligue os títulos todos, para melhorar as vendas do comic Y, cujas vendas estão uma treta. Não interessa que isso se deva ao argumento do próprio comic estar de rastos com tanta palha e que bastasse melhorar a qualidade da história para aumentar as vendas - assim as pessoas compram só para saber o que a nova grande saga número 435643 trás de novo. E normalmente o que há de realmente novo é... nada de substância.

Saí­do da mente de Blogger R, às 6:13 da tarde

 
Acho que se calhar não repararam, mas no caso do Infinite Crisis não é preciso ler mais nada. A série é de facto uma sequela do Crisis On Infinite Earths (acho que todos sabem do que se trata), mas apesar da natureza complexa da história original, e apesar de todos os lead-ins e prelúdios da sequela, que levaram anos, a série em si é escrita de forma a poder ser lida de forma completamente independente. É verdade que todos os prelúdios e tie-ins acentuam diversos aspectos, enriquecendo a história e a experiência, mas nenhum deles é essencial, de forma que a história do Infinite Crisis é quase tão modular como a do Seven Soldiers. Quanto á história em si, é uma daquelas sagas cósmicas de super-heróis. Ou se gosta, ou não se gosta. Mas que está bem escrita, está.
Quanto ao mudar tudo para sempre, é preciso ver que "para sempre", no mundo dos comics, significa mais ou menos o mesmo que "por dois meses ou menos". As coisas são mesmo assim, e acho que já todos aceitámos isso. Ainda assim, neste caso há alterações significativas: todos os títulos da dc vão saltar um ano no tempo, mudando o status quo de todas as séries, em alguns casos de forma radical. Além disso, há também o 52, a série semanal que vai explicar o que se passou nesse dito ano, cujo formato e equipa criativa são uma mini-revolução em si mesmos. Se estas mudanças vão durar, não sei. Provavelmente não. Mas vão acontecer.

Saí­do da mente de Blogger Somnium, às 11:53 da tarde

 
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

Saí­do da mente de Blogger No Pants Jimmy Jamma, às 11:58 da tarde

 
Faço minhas as palavras do Somnium. :D

Saí­do da mente de Blogger No Pants Jimmy Jamma, às 11:59 da tarde

 

Enviar um comentário

<< Iní­cio



Conteúdo © Copyright 2006 Jorge Amorim, R e (Phi)lipe. Todos os direitos reservados.
As imagens usadas são propriedade dos respectivos donos.
Icons por Kevin Potts.