free tracking

conspiradores

. Raquel

. Jorge Amorim

. Nuno Miguel Lopes

. Luís F. Alves

estamos aqui

e-mail

. Say NI

artigos recentes

. As minhas leituras - 25/06/2008

. As minhas leituras

. Young Avengers

. As minhas leituras - 18/06/2008

. As minhas leituras - 11/06/2008

. As minhas leituras - 04/06/08

. As minhas leituras - 28/05/2008

. SUPER PIG # 4 - É já no dia 5 de Junho

. Final Crisis 1

. X-Factor Special: Layla Miller

links de comics

. Comic Book Resources

. DC Comics

. Image comics

. Kingpin of Comics (Site)

. Kingpin of Comics (Blog)

. Leituras de Bd e não só

. Marvel Comics

. Newsarama.com

. Silver Bullet Comics

. World of Manga and comics

. Luca BD

outros links

. Corusca

. Multitudo Design

. O Armário das Calças

. Sonhos Urbanos

RSS
Powered by Blogger
quinta-feira, julho 03, 2008
Comic book death is a neologism used somewhat ironically in the comic book fan community to refer to the killing off and subsequent return of a long-running character. This irony addresses the fact that while death is a serious subject, a comic book death is generally not taken seriously and is rarely permanent or meaningful.


Visitem este link para lerem o resto.


Comentário: É ficção, não me choca muito. Muitas vezes usado apenas como golpe de marketing. A minha questão principal é: é bem escrito ou mal escrito? O exemplo de uma morte má é do Homem-Aranha no "the Other". Gostei da morte do Capitão América. Um ressuscitar, a meu ver, nojento foi o da Tia May (tinha ficado tão bem morta no ASM 400).
Mas como disse é coisa que não me chateia muito, desde que esteja uma história bem contada.

Jorge
saí­do da mente de Jorge Amorim às 12:41 da tarde
link do post | | voltar ao topo
1 Comentários:
E agora, vou ser controverso:
Eu gostei da morte do Super-Homem. Pronto. Admito. Gostei.
Ok, a história da morte propriamente dita foi péssima, era mais que óbvio que o Super-Homem só precisava de ter voado com o Doomsday para o espaço, e pronto (como se viu no Trinity da semana passada, aliás).
Mas a história da morte dele não terminou com a morte. Talvez os anos me estejam a toldar a memória, mas os três meses subsequentes focando-se apenas nos personagens secundários, e os meses seguintes, com a história dos 4 Super-Homens alternativos (com um mistério cuja solução achei bastante engenhosa, não defraudando o leitor só porque nenhum dos 4 era verdadeiro) Foram muito bons mesmo. Por isso, considero a morte do Super-Homem, tão vilipendiada como culpada de montes de mortes subsequentes e inconsequentes, é uma boa morte. Tenho dito.

Saí­do da mente de Blogger Luís F. Alves, às 6:23 da tarde

 

Enviar um comentário

<< Iní­cio



Conteúdo © Copyright 2006 Jorge Amorim, R e (Phi)lipe. Todos os direitos reservados.
As imagens usadas são propriedade dos respectivos donos.
Icons por Kevin Potts.